PREVENÇÃO DO DECLÍNIO COGNITIVO

Há maiores evidências nos exercícios físicos e cerebrais do que com drogas | PARTE 02

De longe, a intervenção que apresentou os benefícios mais dramáticos entre idosos saudáveis envolveu o exercício mental. Esses testes envolveram participantes aprendendo programas de treinamento baseados em computador ou realizando exercícios de memória, raciocínio e processamento de velocidade. Aqueles que foram treinados sobre esses tipos de habilidades mostraram habilidades significativamente melhores de memória e atenção do que aqueles que não o fizeram, e um estudo até relatou que os participantes mantiveram a memória melhorada em um acompanhamento de cinco anos.

Quais são as melhores maneiras de engajar o cérebro para colher esses benefícios? Qualquer coisa que continue pensando e circuitos organizacionais ou de memória ativos pode ser útil, de acordo com estudos recentes. Por exemplo, no ano passado, pesquisadores da Universidade de Tohoku, no Japão, mostraram que homens e mulheres idosos poderiam melhorar algumas de suas habilidades mentais em declínio – pelo menos a curto prazo – jogando o jogo Brain Age, que questiona os usuários sobre uma variedade de tópicos e apresenta as consultas de maneiras provocantes no cérebro.

Embora certamente não faça mal manter o cérebro ativo na velhice, os pesquisadores apontam que não está claro se intervir com palavras cruzadas ou sudoku diário pode realmente contornar o prejuízo cognitivo leve ou afastar um cérebro envelhecido da demência. Eles observam que muitos dos estudos avaliados envolveram um número relativamente pequeno de participantes. Mas, os achados destacam a falta de estratégias eficazes para enfrentar a crescente prevalência de declínio cognitivo e demência na população envelhecida. “Estudos futuros devem abordar o impacto da falta de cuidados preventivos à saúde e do treinamento cognitivo na prevenção do declínio cognitivo, e encorajamos os pesquisadores a considerar ferramentas de fácil acesso, como o exercício físico prescrito e assistido por um profissional, conhecimentos nutricionais e exercícios mentais como as palavras cruzadas e sudoku que não foram rigorosamente estudadas”, concluem os autores.

Como estudos recentes sugeriram que a atividade física poderia melhorar a função cognitiva em idosos, os pesquisadores também avaliaram ensaios que incluíam treinamento de resistência e equilíbrio, bem como atividades aeróbias e descobriram que o treinamento de resistência melhorou a memória de curto e longo prazo de alguns participantes, enquanto atividades aeróbias ajudaram algumas funções executivas, como planejamento e organização, mas não memória. No geral, os pesquisadores escrevem: “Há algumas evidências de que o exercício físico pode ter um benefício positivo, e dado seus inúmeros outros benefícios médicos, ele deve ser incentivado com todos os pacientes.”

*Fonte: https://healthland.time.com/2013/04/15/mental-exercises-are-most-successful-at-preventing-cognitive-decline/


Raphael Mello Block | Profissional de Educação Física | CREF – 4547/SC
Rua Lauro Muller, 863 | Fazenda | Itajaí -SC
📱 (47) 3348-5454 | 📱 (47) 9 8817-9357
http://www.topphysical.com.br
@tpsaudefisica
@raphael.saude

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s